Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Menu

As 10 destruições de guitarra mais épicas de todos os tempos

Momentsradio! adverte: os vídeos a seguir contêm cenas fortes para os amantes de guitarra

Enquanto vários de nós temos que batalhar para conseguir a guitarra dos sonhos, outros simplesmente as partem sem dó nem piedade.

Elas com certeza não merecem tal tratamento, é verdade. Mas sejamos sinceros: é impossível não ir à loucura ao presenciar um momento como estes. Algumas vezes, eles servem até como terapia e, convenhamos, é irado.

A seguir, listamos 10 momentos épicos de guitarras sendo partidas em cima do palco que separamos para relembrar alguns clássicos antigos e outros nem tanto:

 

10Paul Stanley (KISS)

O icônico guitarrista Paul Stanley é quem faz as honras e abre a lista deste Top 10.

Como já sabemos, um verdadeiro show dos KISS não existe sem uma boa dose teatral. Para manter o padrão, no vídeo abaixo, até a destruição  foi ensaiada e performática.

Confere Stanley a destruir a sua guitarra acompanhado de fogos sincronizados:

9James Hetfield (Metallica)

Embora não seja bem o que esperamos de uma destruição de guitarra, o protesto e atitude foram mais que rock and roll.

Em num concerto que os  Metallica fazia em St. Louis, nos EUA, James Hetfield percebeu que a guitarra o que o esperava perfeitamente posicionada no pedestal estava desafinada.

Segundo o usuário do YouTube que postou o vídeo, o erro foi do técnico de som. Ao invés de deixar o instrumento na afinação correta para “Fade To Black”, ele se confundiu.

Hetfield até tentou relevar a situação e afinar ali mesmo, mas acabou por achar mais eficaz dar uma porrada no equipamento todo.

É mais fácil, realmente.

8Jeff Beck (The Yardbirds)

Assim como o vocalista dos Metallica, Jeff Beck parece não ter muita paciência com equipamentos que não colaboram.

Em 1966, em um show do The Yardbirds, Beck teve problemas bem perceptíveis com o som da sua guitarra. Membros da banda e assistentes tentaram mexer nos amplificadores e resolver a situação, mas Jeff já estava danado o suficiente.

Antes de deitar a guitarra para a plateia, ele a partiu e pisoteou ali mesmo.

7Chris Cornell

Embora o internauta que subiu o vídeo para o YouTube tenha dito que Chris Cornell estava a passar raiva com com uma possível linha de sua assinatura com a marca Gretsch, não há reais indícios de que este foi o caso.

De qualquer forma, esta é só mais uma prova de que até nesses momentos Chris era um tipo  porreiro.

Num concerto do Soundgarden em 2013, na Noruega, Cornell destruiu a sua guitarra batendo nos amplificadores. Logo depois, ele enrolou as cordas no que sobrou do braço do instrumento e o entregou gentilmente a um fã da primeira fileira.

Antes de ir embora, Chris deixou ainda um amigável “Thank You!” para os que ficaram.

6Ritchie Blackmore (Deep Purple/Rainbow)

Ritchie Blackmore coleciona vários momentos de destruição em cima do palco. O integrante das bandas Deep Purple e Rainbow vem fazendo isso desde o começo da carreira, e não é difícil encontrar cenas dele a deitar guitarras para o alto e a bater com elas nas câmeras.

Entretanto, esta grotesca “execução de guitarra” num concerto do Rainbow, em 1977, é uma das mais incríveis.

Torcemos para que nenhum fã tenha sido magoado.

5Matthew Bellamy (Muse)

O recordista mundial da categoria “mais guitarras partidas por turnê” não poderia, de forma alguma, ficar de fora desta lista.

Matthew Bellamy, guitarrista e vocalista dos Muse, entrou para o Guinness Book em 2010 após quebrar 140 guitarras na turnê do disco Absolution, em 2004.

É claro que, fora da turnê, Bellamy repetiu o processo várias vezes.

Vê alguns momentos na compilação seguir:

 

4Billie Joe Armstrong (Green Day)

Em 2012, o Green Day foi convidado para tocar no evento iHeartRadio.

Na ocasião, eles dividiram o palco com o Linkin ParkAerosmithTaylor SwiftRihanna e vários outros artistas, e tudo corria bem até Billie Joe Armstrong perceber um aviso no tela. Nele, estava escrito “4 minutos”.

Billie Joe ficou fulo ao perceber que seu show tinha  sido encurtado para que Usher tivesse mais tempo de palco. Ele reclamou, mas optou por seguir adiante.

Na metade de “Basket Case”, quando o aviso de 1 minuto surgiu na tela, Armstrong mudou de ideia, parou tudo e decidiu voltar a protestar – só que com um pouco mais de raiva dessa vez.

Foram cerca de 30 “fucks”, uma guitarra e um baixo destruídos e a frase: “não sou a porra do Justin Bieber!”

Relembre este clássico:

 

3Kurt Cobain (Nirvana)

Não é preciso falar muito sobre destruição de guitarras para que Kurt Cobain venha logo em mente.

Está aí uma arte (se é que podemos chamar assim) que os Nirvana dominava e, justamente por isso, é praticamente impossível selecionar apenas um momento.

O vídeo a seguir é uma compilação de guitarras partidas pelas mãos de Cobain, divulgado por um canal do YouTube que reúne vídeos de loucuras e destruições da banda.

Cenas clássicas, como a quebra de amplificadores e a “batalha” contra Krist Novoselic, estão incluidas.

Aproveita:

 

2The Who

Uma das bandas precursoras da tão adotada prática foi a inglesa The Who.

Quem saía de casa para assistir à banda na década de 1960, principalmente, já esperava o gran finale digno da destruição de instrumentos em grande classe.

Por difundir a “destruição de guitarras” e usá-la como um ritual em seus concertos, são eles quem levam o segundo lugar.

O vídeo abaixo mostra o incrível fim de concerto do The Who no Monterey Pop Festival, em 1967.

Foram acontecimentos deste dia, inclusive, que os impediram de conquistar o primeiro lugar desta lista, e vais entender logo a seguir:

1Jimi Hendrix

No Monterey Pop Festival, de 1967, The Who e Jimi Hendrix dividiram o palco e a atenção do público.

Embora hoje estejamos acostumados a ver as bandas principais encerrando grandes concertos, naquela época era diferente. Artistas de maior renome abriam os eventos, dando espaço para outros tocarem em seguida.

Pensando nisso, Hendrix e The Who entraram numa disputa nos bastidores do festival para ver quem tocaria primeiro. Embora alguns digam que eles chegaram a fazer uma jam para escolher um vencedor, eles acabaram decidindo no clássico “cara ou coroa”.

No final, The Who foi quem acabou por abrir o concerto, mas foi Jimi quem deixou a sua marca. Os encerramentos destrutivos dos ingleses eram famosos e já esperados, e por isso Hendrix subiu no palco com uma estratégia pronta para superá-los e conquistar o público.

E foi assim, então, que Jimi Hendrix entrou para a história com o grande momento em que ateou fogo na guitarra antes de deixá-la em pedaços.

 

Deixe seu comentário:

ÚLTIMAS NOTICIAS